Ajuda - fui albarroado por um carro, gostaria de saber o que devo fazer

Olás :-)

Hoje às 18h15, após sair do trabalho, fui abalroado por um carro.

O carro apareceu atrás de mim e apitou, eu olhei rápidamente para tarás e mandei-o esperar, utilizando a palma da mão - era impossível ele passar, sem me albarroar. A faixa esquerda estava toda ocupada, ele não me poderia ultrapassar.

Passados alguns segundos, pareceu-me que estava novamente a tentar passar. Virei-me para trás para pela segunda vez para o mandar esperar, apercebi-me então que ele já estáva ao meu lado, tentei me afastar mas não fui a tempo, o carro bateu-me na mão esquerda, desiquilibrei-me e caí no chão. Se viesse um outro carro atrás, teria sido atropelado quase de certeza.

Levantei-me o mais rápido que pude e anotei no telemóvel a matricula, o carro seguiu em frente. A matrícula era: 43-45-BD.

Pessoas que estavam lá perto vieram me levantar, afastar-me da estrada. Uma pessoa da loja de bicicletas Guersan (de onde costumo ser cliente), emprestou-me o telefone, liguei rápidamente para a PSP de Aveiro.

A PSP fez-me o teste do alcoól, estava a zero. Preenchi uma folha com o meus dados e descrição do acidente. Tenho agora de ir à esquadra me informar melhor sobre o que irá acontecer.

Eu estou bem, tenho a mão esquerda pisada e com o pulso a doer, um arranhão no cotovelo esquerdo e a anca pisada. A cabeça bateu no chão mas não me doi.
O guiador da bicicleta rodou 90º mas foi fácil de o colocar novamente no sítio. A mala que levava às costas ficou com dois largos cortes.

Já alguém teve assim um acidente? o que devo fazer seguidamente?

Obrigado.

Olá Fui chamada ao posto da

Olá :-)

Fui chamada ao posto da GNR de Águeda, onde moro, para prestar novamente declarações sobre o acidente. Lá um senhor fez-me perguntas e pediu-me para descrever o acidente. Tive de faltar uma manhã ao trabalho.

Passado algum tempo (mais de um mês acho) chegou a minha casa uma carta a avisar-me que poderia levantar um documento na esquadra da PSP em Aveiro. Creio que esse documento teria a informação necessária para eu dar início a uma acção legal sobre o acidente. Desisti e não fui apanhar essa carta - infelizmente teria de faltar ao trabalho para apanhar essa carta, é que anteriormente quando fui duas vezes a essa esquadra tive sempre de faltar pois o horário da secretaria é muito limitado e não me permite lá ir sem faltar ao trabalho (9h-13h e 14h-18h).

Segundo me foram dizendo entretanto, com a carta que poderia ter apanhado na esquadro, teria de contratar um advogado para iniciar o processo judicial mas que sem testemunhas seria quase impossível conseguir provar alguma coisa.

Ainda não me tornei sócio da FPCUB mas gostaria. Tenho de investir algumas energias para o fazer. Por outro lado não sei que me quero tornar "legal"... é que eu cada vez mais não cumpro o código da estrada, costumo passar com frequência semáforos vermelhos e etc (mas paro nas passadeiras, respeito muito os peões).

Quanto ao seguro...

Qual foi o andamento desta questão?

Olá,

Vim aqui parar por acaso, mas gostava de saber como a situação se desenvolveu. Nunca se sabe quando é a nossa vez e este tipo de informação é muito útil.

Obrigada!

apresentar queixa na seguradora do outro veículo

Hoje fui à PSP para saber como estava o processo e pedir ajuda. Disseram-me que ainda não tinha sido preenchido pelos polícias que estiveram no local do acidente, vou ter de aguardar uns dias.

Disseram-me também, que devo ir à companhia de seguros da outra pessoa apresentar queixa. Consigo saber qual a companhia, pesquisando e inserindo a matricula, na página do Instituto de Seguros de Portugal - www.isp.pt.

Se eu tivesse seguro, a minha companhia trataria deste processo, assim, tenho de ser eu a fazê-lo.

Daqui a uns tempos, espero escrever uma página com toda a informação que reunir neste processo, na espectativa de ajudar outras pessoas que passem por uma situação parecida.

---
JPCasainho - www.Casainho.net

Eu estive numa situação

Eu estive numa situação semelhante na Av. Fontes Pereira de Melo, em Lisboa. O tipo chegou a tocar-me com o espelho direito na ponta esquerda do guiador. Não caí porque ia relativamente devagar (a subir, semáforos regulares, trânsito) e porque inconscientemente foquei-me em manter-me em segurança e não deixar que a surpresa/raiva e vontade de gesticular e mandá-lo verbal e gestualmente para o *piiiiiii!!* me desestabilizasse. Apenas apitei o AirZound uns segundos (a minha única voz no trânsito, o mínimo que posso fazer é não deixar as asneiras ficar em branco). Não foi completamente surpresa a atitude dele, vinha atrás de mim a armar-se em imbecil uns minutos antes, mas foi a primeira vez em anos que tive uma close call tão close e tão derivada do mau carácter geral e comportamento criminoso de um condutor de automóvel. Na altura fiquei com muita raiva e a sentir-me totalmente impotente. Mas não há nada a fazer. Há criminosos ou simples imbecis em todo o lado, dentro de carros, em cima de bicicletas, etc. Também tenho situações similares quando ando de carro, e já tive um episódio de road rage em que um gajo fucked up abalroou o carro onde eu seguia como passageira (deviam ter visto a sessão no Tribunal, anos depois, hilariante). Dá vontade de andar com câmaras de vídeo e filmar tudo (uma tendência em crescimento), mas para a taxa e gravidade média de ocurrência destas situações, e a maneira como são processados na Justiça os crimes cometidos atrás de um volante, não vale a pena o trabalho. Se conseguiste a matrícula e talvez testemunhas, faz queixa, sim (referindo/mostrando os danos físicos e materiais). Não por alguma expectativa de justiça, mas para ficar nas estatísticas, base de sustentação para medidas políticas (e não só).

Hum...

Isso soa a atropelamento e fuga...com falta de assistência a pessoa em perigo.