Pedalar contra a Educação de Sócrates

António Morais, professor e dirigente do Sindicato de Professores da Região Centro (SPRC), escolheu percorrer 700 quilómetros de bicicleta em protesto contra as políticas de educação do Governo de Sócrates, na iniciativa «Trilhos de Esperança». Saiu esta segunda-feira da escola EB 2/3 de Melgaço e pretende chegar a Vila Real de Santo António no próximo dia 22 de Agosto.

Depois de percorrer a primeira etapa sozinho, cerca de 55 quilómetros, o professor mostrava-se animado e até surpreendido com a sua própria capacidade física. «Tenho um problema no joelho, já fui operado ao menisco, e apesar de algumas dores estou surpreendido com a minha capacidade física», confidenciou ao PortugalDiário.

O professor da região de Aveiro sugeriu à Fenprof o cicloturismo como forma de protesto. Não se importou de abdicar de um mês das suas férias para poder encabeçar, sozinho, o protesto pelos principais pontos do país em solidariedade com os colegas professores. «Abdico das minhas férias com alegria», acrescentou.

Manifestação serve para mostrar que «a classe docente não está adormecida»

António Morais quer chamar a atenção para as condições de vida de exercício da profissão de professor e educador. «Existe um enorme esforço de adaptação que anteriormente era só nos primeiros anos de carreira mas, para quem começa agora, vai ser toda a vida a saltar de um lado para o outro», revela ao PortugalDiário.

Mário Nogueira, secretário-geral da Federação Nacional de Professores apoia o docente nas despesas de deslocação mas o professor também investiu nesta travessia adquirindo o material necessário. O estatuto de carreira do professor é o principal motivo deste protesto que pretende, de acordo com Mário Nogueira, reclamar um estatuto para o docente mais dignificante.

A manifestação, que tem lugar em época de férias, serve sobretudo para mostrar que a classe docente não está adormecida e que as acções de protesto não ficam por aqui. «Foi escolhida esta altura porque tendo em conta que a classe política está de férias há mais espaço para iniciativas deste tipo de iniciativas serem visíveis na comunicação social », explicou.

A aventura acaba em Vila Real Santo António depois de 700 quilómetros

«Num momento em que as notícias sobre educação são postas em segundo plano é importante que as pessoas não se esqueçam. É neste período mais morno que tentamos fazer a ponte entre este ano que acabou e o próximo ano lectivo. Temos que manter as coisas em 'banho-maria'».

No dia oito de Agosto prevê-se que o protesto passe pela cidade de Coimbra e que a 22 de Agosto chegue a Vila Real Santo António. A Fenprof está no terreno na pessoa de Rosa Gadanho que fornece toda a assistência necessária ao ciclista. No começo de cada etapa alguns colegas professores também se juntam a António Morais.