Bicicletada/Massa Crítica em Lisboa - Dezembro de 2007

Citando a Raquel Leitão num e-mail enviado para a lista da MC Lx, a 3 de Janeiro de 2008:

Aqui fica um rasto do trilho pedaleiro por nós deixado nas ruas de Lisboa na última 6ªfeira de 2007, esse querido ano que já se fez render com mandato cumprido.

Ora bem, já o sol se tinha escondido nesse dia 28 do mês do Solstício mais frio, quando o nosso grupo de cerca de 20 ciclistas se fez ao largo na rotunda do Marquês. Com luzinhas a piscar de exaltação intermitente em alguns capacetes, lá nos juntámos aos outros utilizadores da estrada, vulgarmente conhecidos por armaduras-metálicas-de-propulsão-por-combustão, ("carros" na versão abreviada). Alguns dos condutores refugiados na sua cápsula revelavam alguma impaciência, talvez por quererem ser os primeiros a chegar a 2008!! Sim, porque com os discursos que por aí vigoram devem sentir-se mto "competitivos" por poderem acelerar até 2008 e assegurar atempadamente o seu lugarzinho no novo calendário...

Depois das habituais voltinhas sob o signo do Leão, que nos dá sempre a sua graça, descemos a Avenida da Liberdade até aos Restauradores e depois Rossio com alguns dos slogans da praxe: "Não sejas pateta, anda de bicicleta..." ou ainda "Não sejas ridículo, anda de triciclo"; tb se vão vendo novas frases atrás de alguns selins: "Vive +, dá nos pedais" ou "Usa bicicleta, energia bio+lógica". Alguns aplausos de turistas mais familiarizados com cidades cicláveis e algumas buzinadelas bem dispostas, daquelas que dão ritmo e ânimo, e lá seguimos para cima, de volta à Av da Liberdade e Marquês, para subir a Fontes Pereira de Melo até ao Saldanha; pelo caminho, algumas perguntas de automobilistas mais curiosos e interactivos que queriam saber que causa era a nossa, ao que respondemos:

- "Queremos promover o uso da bicicleta e outros meios de transporte alternativos dentro da cidade, reduzindo os automóveis e o espaço público por eles ocupado!" (se não foi bem assim, foi em versão ofegante entre duas pedaladas: queremos, puff, menos carros, puff para respirar melhor, na cidade", puff) - "Ahh!"

E pronto, depois dessa subida foi só deslizar pela Avenida da República até Entrecampos, onde nos "apeámos" das nossas montadas para dois dedos de conversa antes da despedida com um "até pro ano!"