O Site MCpt é participativo. Regista-te.

  O Registo agora é simples pois, depois de um largo período com restrições ao registo, agora o site tem várias proteções que permitem a defesa em relação a «robôs» que constantemente criavam falsos utilizadores... Enfim voltamos ao estado original do site, por isso o apelo: Regista-te e Participa * Insere Conteúdos e Comentários... Clica em «Criar uma nova conta» no menu esquerdo do site... (Se já estiveres inscrito não te preocupes; acede e participa simplesmente)

Blogues

Montei a minha bicicleta eléctrica -- V2.1

NOTA: Não respondo a e-mails privados sobre este assunto. Se pretenderem falar comigo sobre este assunto, escrevam um comentário a esta mensagem.

NOTA: Montei uma nova versão de sistema eléctrico nesta bicicleta em Março de 2012 -- ver página Montei a minha bicicleta eléctrica -- V3.0. A página com informação sobre a V2.0.


Fiz duas alterações à minha bicicleta eléctrica, sendo esta a versão 2.1. As diferenças entre a versão 2.0 são:

  • Guiador numa posição mais alta
  • Sistema de mudanças permitem pedalar a maior velocidade

Fotos de ambas as versões - versão 2.0:
 

Versão 2.1:

Guiador numa posição mais alta

Diáriamente ando sempre com uma bicicleta de cidade, que permite-me conduzir numa posição mais vertical, descontraída e agradável. Sempre quiz montar o sistema eléctrico numa bicicleta de cidade, pois as viagens que faço são sempre em estrada e são longas (cerca de 1h cada). A única bicicleta disponível que tinha era essa de BTT, que estava parada na garagem...

Ao longo das semanas, fazendo as duas viagens entre Aveiro -> Águeda (28km e ~1h) -> Aveiro (28km e ~1h), reparei que ia ficando com dores nos pulsos e nas costas, na zona lombar. Pela minha experiência, essas dores eram resultado de conduzir com o guiador numa posição muito baixa, assim, decidi ir ao mercado procurar uma melhor solução.

Resultado:

Noto uma grande diferença pois a condução é agora bem mais agradável e segura (tenho maior estabilidade pois este guiador é mais largo). As dores nos pulsos desapareceram e as lombares diminuiram muito Sorrindo

Sistema de mudanças permitem pedalar a maior velocidade

Porque uma parte da pedaleira se estragou, resolvi meter uma nova pedaleira e desta vez com mais dentes, permitindo-me assim atingir maiores velocidades a pedalar em longas rectas, nas viagens que faço duas vezes por semana.

Viagem Águeda -> Aveiro

Exemplo de viagem Águeda -> Aveiro feita em Fevereiro 2012 (imagens tiradas do meu Android, no software My Tracks):

Notícia sobre a MCpt em jornal regional francês

http://www.bienpublic.com/fr/votre-region/beaune/article/5049263,1488/Su... NUITS-SAINT-GEORGES. CHRISTOPHE ET GUILLEMETTE CONTINUENT LEUR PÉRIPLE À BORD DE LEUR PIANO TRIP. Sur les routes du Portugal Guillemette, Christophe et le Piano Trip (le coffre blanc à droite) sont entraînés dans un "Critical Mass" infernal. Photo SRD Après avoir traversé plusieurs pays, Christophe et Guillemette sont au Portugal où ils ont fait de nombreuses rencontres et participé à la “Critical Mass”. Au Portugal, après leur passage à Relva où les enfants des écoles ont pu jouer quelques notes sur le piano voyageur, les pédales de Guillemette et Christophe les conduisent sur la route de Medelim où ils restent une semaine durant laquelle le piano a distrait les “petits vieux”de la maison de retraite. Puis, ils repartent. « Les jours sont exceptionnellement chauds pour la saison, et les premiers coups de soleil nous régalent. (….), le ­soleil nous pousse grâce aux panneaux photovoltaïques de Piano Trip. On avance pratiquement uniquement grâce à eux, car les batteries sont presque mortes. Nous en achèterons d’autres à Castelo Branco, notre prochaine étape ».

De Barcelona a Braga...de bicicleta

Olá a todos,

No dia 26 de Março dei início ao projecto 2B's. O 2B's é uma viagem que vai ligar a cidade espanhola Barcelona, à capital do Minho - Braga.

Já percorri cerca de 1800km em pouco mais de 30 dias de viagem. Já visitei locais como: Valência, Múrcia, Alicante, Granada, Córdoba e Huelva, entre muitas outras cidades. Em Portugal já visitei Vila Real de Santo António, estando neste momento em repouso por uns dias em Faro.

A ideia é seguir pela costa algarvia e visitar o ponto mais a sudoeste de Portugal: Vila do Bispo. Daí seguir com rumo ao norte, pela costa do Atlântico, até à cidade de Braga - o meu destino final.

Este mensagem serve para além de divulgar este meu projecto pessoal, de apelar a todos os portugueses, toda a ajuda que cada um possa dar: um quintal para eu montar a minha tenda de campismo; um pouco de comida ou água; companhia a pedalar ou para uma animada conversa...

Deixo um forte abraço,
Leonardo Maia
in http://intotheroad.net

Bicicletada de Santa Iria (concelho de Loures)

Mais uma Bicicletada perto de Lisboa.

Esta acontece no 1º Domingo de cada mês com concentração no Castelo de Pirescoxe pelas 10 horas (manhã).

A estreia decorreu na manhã do dia 3 de Abril (1º Domingo) e contou com a participação de 11 pessoas em 10 bicicletas, sob o lema "pelo gosto de pastelar vem connosco pedalar"!

A informação relativa a esta Bicicletada, periférica mas urbana, pode ser encontrada de forma concentrada no blogue www.bicicletada-santairia.blogspot.com, a partir de onde se liga a eventos e galerias fotográficas criadas no facebook pelos participantes.

A Bicicletada de Santa Iria de Azóia segue os princípios e, na generalidade, as convenções adoptadas pela Massa Crítica. É um passeio suave em meios de transporte não motorizados, nomeada e principalmente bicicletas, no qual participam pessoas nas mais diversas condições físicas, idades, etc., numa demonstração pacífica e coerente de mobilidade pessoal ecológica e eficiente.

Livro de reclamações como ferramenta para ciclistas

Na Escola Secundária Marques de Castilho em Águeda que recebeu recentemente obras no valor 11,5 milhões de euros (e foram inauguradas há 6 meses), pedi há poucos dias o livro de reclamação com o objectivo de reclamar o facto da escola não ter estancionamento para bicicletas. A escola tinha estancionamentos para bicicletas antes das obras e agora apenas tem estancionamento para carros dos funcionários e professores.

Ao chegar à escola com a minha bicicleta, perguntei ao porteiro onde poderia estancionar/guardar a bicicletade. Para meu espanto, disse-me que não havia nenhum estancionamento de bicicletas na escola! Contudo, foi muito simpático e deixou-me guardá-la dentro da escola mas mesmo à entrada, numa zona pouco segura.

Decidi pedir o livro de reclamações com o objectivo de reclamar pelo facto da escola não ter estancionamento para bicicletas. Deram-me imediatamente muita atenção, prometendo guardar a bicicleta dentro da escola sempre que quisesse pois um funcionário iria abrir-me a porta para eu a guardar numa zona mais segura.

Creio que uma reclamação no livro, obriga à comunicação da mesma a uma entidade central de gestão das escolas, a reclamação fica para sempre registada! Todos têm um grande receio e isso para mim ficou patente na expressão do rosto do funcionário quando lhe pedi o livro.

Aconselho a que façam o mesmo que eu, pedir e usar o livro de reclamações, reclamando a existência de um estancionamento seguro para bicicletas.

Montei a minha bicicleta eléctrica -- V2.0

NOTA: Não respondo a e-mails privados sobre este assunto. Se pretenderem falar comigo sobre este assunto, escrevam um comentário a esta mensagem.

NOTA: Fiz algumas alterações a esta bicicleta em Maio de 2011 -- ver página Montei a minha bicicleta eléctrica -- V2.1. A página com informação sobre a V1.0.


Já passaram cerca de oito meses desde que montei a minha primeira bicicleta eléctrica -- V1.0. Utilizei-a constantemente durante os três primeiros meses.

Duas vezes por semana, apanhava o comboio regional "Vouguinha" em Aveiro e seguia para Águeda, transportando também a bicicleta no comboio. Umas horas mais tarde retornava para Aveiro utilizando a bicicleta, fazendo 23km. E tudo isto porque não havia e não há, comboio à noite entre Aveiro<->Águeda.

Ao longo dos meses, o comboio começou a ficar cada vez mais cheio, devido às dificuldades económicas e aumento do preço dos combustíveis. A CP emitiu uma circular interna proibindo o transporte de bicicletas nos comboios em hora de ponta e mudou também o horário dos comboios -- fiquei sem a possibilidade de levar a bicicleta no comboio.
Passei os meses seguintes a ir e vir de carro, gastando 60€ por mês só de combustível.

As minhas necessidades continuam a ser as mesmas -- deslocar-me a Águeda duas vezes por semana para participar numa aula de desporto de uma hora e meia. A deslocação, quero evitar que seja de carro para reduzir custos. Adorava fazê-la de comboio, porque é barato, porque me permitira descansar durante a viagem ou trabalhar ou ir falando com as pessoas que circulam no comboio e conheço.

Já que não é possível ir e vir de comboio (e estava a fazê-lo de carro), fiz um esforço e investimento na ideia de ir e vir de bicicleta eléctrica! As vantagens são: baixo custo por viagem (cerca de 0,1€); ajuda na DIMINUIÇÃO DA MINHA OBESIDADE; fortalecimento dos músculos e aquecimento/activação do corpo para a actividade desportiva que faço de imediato ao chegar ao meu destino, aumentando assim o meu rendimento.

Atualizações à V1.0 da minha bicicleta eléctrica

Tive de comprar uma nova bateria e acabei também por comprar um novo motor e controlador. Comprei todo o material online, numa loja chinesa: BMSBattery.com

Comprei também, numa loja local, o seguinte material: alforges; selim de gel; colete refletor e espelho retrovisor.

Bateria
Como a minha bateria anterior era de 24V 10Ah e dava para fazer os 25km, agora que precisava de fazer os 50km, decidi comprar uma bateria com 2,5 vezes mais capacidade: 24V 25Ah.
A bateria é de Li-Ion NiCoMn e é composta por 35 elementos, em configuração 5p7s. Pesa 5kg.

Comprei também um suporte para a bateria, que além da bateria, permite-me também colocar alforges e outras cargas, como se pode ver na seguinte foto:


Motor
O meu motor anterior era de 180W e para roda 26''. Sempre me pareceu que o motor poderia dar uma velocidade maior e eventualmente ter um torque (força) menor.
Decidi comprar um novo motor, desta vez de 250W e configurado para roda 16''!! Isto significa que este motor tem uma rotação muito mais elevada e resulta assim numa maior velocidade, visto que o motor tem um caixa de velocidades interna que é configurada para dar 25km/h para a roda 16''.

Fiz uns testes ao motor elétrico e registei alguns valores com o motor em vazio (roda no ar). O conta km estava configurado para a minha roda com perímetro de 2,01m (roda 26'').

  • Vin: 19,25v; Velocidade: 31,0 Km/h; RPMs: 257,0
  • Vin: 24,00v; Velocidade: 38,0 Km/h; RPMs: 315,1
  • Vin: 29,40v; Velocidade: 46,5 Km/h; RPMs: 385,6
  • Vin: 31,00v; Velocidade: 49,5 Km/h; RPMs: 410,1

O modelo do motor é: "Q85(Cute 85) 250W Front Driving Disc-Brake Hub Motor, For Wheel(rim) size: 16 - Plug" e pesa 1,9kg.

Imagem do novo motor:


Controlador

Para o novo motor, foi preciso comprar um outro controlador. Este controlador tem duas opções que o antigo não tinha: limite de velocidade e cruise control.

O limite de velocidade impõe os 25km/h (neste caso se utilizado numa roda 16'').

O cruise control permite que o utilizador descanse o seu punho e evite ter de manter o acelerador numa posição fixa. Para isso, o utilizador deve fixar o acelerador numa determinada posição durante mais de oito segundos, ao fim dos quais poderá largar o acelerador. O controlador manterá o motor à velocidade anterior. Para sair do modo cruise control, basta travar ou acelerar.

Comprei um suporte e uma garrafa, onde coloquei o controlador e respetivos fios, como mostra a imagem seguinte:

 


Acelerador de punho

Visto que previa uma velocidade mais alta que a anterior que tinha, optei por começar a utilizar um acelerador de punho, de modo a ter melhor controlo da velocidade. Com o pedalec que utilizava anteriormente, assim que começava a pedalar, o motor ligava sempre à potência/velocidade máxima, algo que eu não gostava.
Optei por comprar também um pedalec e um acelerador de dedo - são opções que posso utilizar caso venha a encontrar algum problema com a utilização do acelerador de punho.

O acelerador tem uns LED que dão uma indicação do estado da bateria, como se pode ver na imagem seguinte:

Lista material comprado na loja BMSBattery.com

  • 24V 25Ah Li-Ion Alloy Shell Battery Pack - AC Voltage : 200V~264V (em utilização)
  • EBike Carrier for Battery Pack 05 Case (em utilização)
  • Q85 250W Front Driving Disc-Brake Hub Motor, For Wheel(rim) size: 16 - Plug : Sensorless Waterproof Plug.
    Este motor tem furação para 36 raios. (em utilização)
  • Cute-85 250W Front-Driving Brushless Hub Motor for EBike, For Wheel(rim) size: 20 - Plug : Sensorless Waterproof Plug.
    Este motor tem furação para 36 raios. (não utilizado)
  • Hall Sensor/Sensorless 250Watts Brushless Hub Motor Controller (em utilização)
  • Wuxing Twist Grip Throttle with Battery Meter (em utilização)
  • Brake Grip (em utilização)
  • PAS--Pulse Padel Assistant Sensor (não utilizado)
  • Thumb Level Throttle with Battery Meter and a Switch (não utilizado)

Ligações eléctricas

O controlador veio com um esquema/indicações. Bastou-me o seguinte material para fazer a instalação: voltímetro; chaves de fenda e estrela; alicate e x-acto.

2 fios (+ e -) da bateria ligam ao controlador. Depois, 3 fios ligam o motor ao controlador.

Os travões, têm interruptores que se ligam imediatamente quando travamos (com o objectivo de desligar o motor quando travamos). Os fios dos travões ligam ao controlador, sendo que o controlador/sistema funciona sem que os travões sejam ligados.

Finalmente, o acelerador é ligado ao controlador e é necessário para accionar o motor/sistema. Este acelerador é como se fosse um potenciómetro: uma tensão de ~5 volts vem do controlador para o acelerador e o acelerador devolve ao controlador uma tensão que varia linearmente com a posição do acelerador: 0 volts com o acelerador no mínimo e ~5 volts com o acelerador no máximo.

Todas as ligações têm fichas únicas, o que evita enganos/problemas.

Primeira viagem Aveiro-->Águeda-->Aveiro

Na primeira viagem que fiz em 05.04.2011, a primeira parte de entre Aveiro-->Águeda, fiz 24.8Km em 52 minutos. A velocidade média foi de 29Km/h e a máxima de 42.6Km/h.
Nas rectas, com relativamente pouco esforço para pedalar, consegui atingir 35km/h. Em algumas delas consegui 40km/h mas já com a última mudança "esgotada".

Medi também o número de calorias que gastei, utilizando um equipamento próprio para o efeito. Gastei 450 calorias entre Aveiro-->Águeda. O meu ritmo médio de pulsações foi de 129 e o máximo de 149.
Segundo uma tabela de que disponho, o meu ritmo de pulsações ideal para queimar as gorduras, deveria estar entre 114 e 130.

A primeira viagem correu muito bem. Consegui chegar a Águeda ainda com energias disponíveis para a aula de desporto e também para regressar logo depois.

Infelizmente, a escola em Águeda onde pratico o desporto, foi uma obra recente de 11 milhões e meio de euros e não tem um único estacionamento de bicicletas!! Ao contrário, tem um grande estacionamento de carros para funcionários e professores.

Futuro

Nos próximos meses/anos, prevê-se que as dificuldades económicas serão ainda maiores do que as actuais! O custo actual da gasolina a 1,6€, deve continuar sempre a aumentar e prevê-se que dentro de 4 a 5 meses irá atingir os 1,7€.
O desemprego vai aumentar (ainda mais), os preços dos alimentos estão a aumentar, o preços dos combustíveis vão continuar a aumentar, os impostos vão aumentar (ainda mais) e finalmente, os ordenados vão diminuir.

Com estas dificuldades, prevejo que as estradas onde circulo irão ficar mais desocupadas de carros e cada vez com mais bicicletas, logo, mais seguras e agradáveis. Nos últimos meses, é notório o aumento do número de bicicletas na estrada que percorro!!!

O custo da energia eléctrica irá também aumentar, contudo, esta bicicleta eléctrica gasta muito pouca energia e o custo pela viagem será sempre relativamente baixo.

Aveiro para bicicleta

Vídeo bonito. Conheço algumas dessas pessoas registadas no vídeo... e conheço da rua mesmo, porque ambos andamos de bicicleta. Por exemplo o rapaz da BMX, que costumo encontrar sempre na baixa da cidade Sorrindo

Reconheço todas a imagens do vídeo, foram todas registadas em Aveiro... a única coisa que não está real são as cores, pois estão demasiado contrastadas.

Mas a história repete-se... no passado foram as BUGAS, e agora este vídeo do LifeCycle? Será que esse vídeo também serve só para uma campanha de marketing?

Ando todos os dias de bicicleta cá no centro de Aveiro (deslocamento para o trabalho), cada vez vejo mais pessoas a andarem de bicicleta, contudo, não há investimentos palpáveis da autarquia na bicicleta. A maioria das pessoas que andam de bicicleta, na minha opinião, fazem-no devido às dificuldades económicas e não porque a autarquia tenha criado infraestruturas que facilitem a circulação dos ciclistas em segurança.

Seja como for, esta campanha pode muito bem levar as gerações mais novas a gostar e usar a bicicleta em meio urbano.

O vídeo seguinte é uma resposta ao 1º vídeo, do LifeCycle:

A World Naked Bike Ride Lisboa - precisa do apoio de todos

A World Naked Bike Ride realiza-se em vários países desenvolvidos e em várias cidades, como por exemplo: Argentina, Austrália (várias cidades), Bélgica, Brasil, Colômbia, Canadá (várias cidades), Dinamarca, Alemanha, Grécia, Irlanda, Itália, Japão, México, Holanda, Nova Zelândia (várias Cidades), Panamá, Polónia, Paraguai, África do Sul (várias Cidades), Suécia, Reino Unido (várias Cidades), Estados Unidos da América (várias Cidades) e Tailândia.

Porque não Juntar Portugal e Lisboa a este protesto pacífico, no dia do ambiente (dia 5 de Junho). O lema será “Pedala o mais nu que conseguires” - um protesto onde tirar a roupa é somente uma opção.
A mensagem da World Naked Bike Ride foca-se na promoção da bicicleta como meio de transporte.

A primeira bicicleta impressa em 3D

Grande avanço tecnológico, que irá permitir reduzir custos e "produzir" na hora e localmente, bicicletas à medida!!

"Engineers from the Bristol wing of the European Aeronautic Defence and Space Company (EADS) have announced the development of the first bicycle using Additive Layer Manufacturing (ALM) technology. The manufacturing process involves 'growing' the components from a fine nylon powder, similar in concept to 3D printing. Said to be as strong as steel, the end product is claimed to contain only a fraction of the source material used by traditional machining, and the process results in much less waste. It also has the potential to take manufacture to precisely where the component or product is needed, instead of being confined to factories often located a great distance away."

Actualmente já dispomos de impressoras 3D baratas e até OpenSource, que nos permitem imprimir todo o tipo de objectos em plástico com dimensões de 150x150x150mm -- vejam aqui o que os utilizadores andam a imprimir: Thingiverse

Conteúdo sindicado